Este é o primeiro resultado positivo do ano, com maior influência do setor de transportes; ante abril de 2017, o setor cresceu 2,2%, a taxa mais alta desde março de 2015

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

14 Junho 2018 | 09h01

RIO – Em abril, o volume de serviços prestados no Brasil registrou aumento de 1,0% ante março, na série divulgada nesta quinta-feira, 14, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Este é o primeiro resultado positivo do ano, com maior influência do setor de transportes, que tem grande peso no índice. O levantamento, porém, foi feito antes da greve dos caminhoneiros afetar os setores produtivos e a confiança. Em comparação a abril de 2017 (série sem ajuste sazonal), o volume de serviços cresceu 2,2%, a taxa mais alta desde março de 2015 (2,3%).

+ Sem caminhões, soja lota galpões em Goiás

O resultado do quarto mês do ano perto do teto das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que previam desde uma queda de 0,10% a uma alta de 1,10%, com mediana positiva de 0,60%. Na comparação com abril do ano anterior, houve alta de 2,2% no resultado mensal, já descontado o efeito da inflação. Nessa comparação, as previsões iam de avanço de 0,40% a 2,70%, com mediana positiva de 1,45%.

A taxa acumulada pelo volume de serviços prestados no ano ficou negativa em 0,6%, enquanto o volume acumulado em 12 meses registrou perda de 1,4%.

Caminhão da empresa de transportes FedEx entrega cerca de 15 mil pedidos de visto de trabalho no centro de triagem, em Laguna Niguel, na Califórnia
Segmento de transportes ajudou no resultado positivo do índice Foto: Eros Hoagland/The New York Times

+ Copa do mundo pode movimentar R$ 20 bi no País, segundo pesquisa

A alta de 1,0% no setor de serviços registrada na passagem de março para abril foi o primeiro resultado positivo registrado em 2018. O último avanço da série com ajuste sazonal tinha ocorrido em dezembro de 2017, quando os serviços cresceram 1,2%.

O gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, explicou que “os transportes, que têm peso de 30% sobre o índice, foram a atividade de maior influência, um pouco acima dos serviços profissionais, que representam 21%”. Ele disse também que os transportes vêm em uma recuperação desde meados de 2017, em especial o rodoviário de carga.

+ Varejo registra alta de 1% nas vendas em abril em relação a março

Na expectativa para o índice, o analista Vitor Velho, da LCA Consultores, já apontava que o principal motor para o avanço do índice este mês seria o segmento de Transportes, que está no centro da crise vivida no País em maio, com a paralisação provocada pelos caminhoneiros.

“O fluxo de veículos pesados nas estradas pedagiadas caiu 27% ante abril com ajuste sazonal em maio, o que já dá uma indicação do desempenho de transportes no mês, o setor de maior relevância na PMS”, diz Velho, citando o índice ABCR, calculado pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) e Tendências Consultoria Integrada.

By |2018-06-14T13:19:53+00:00junho 14th, 2018|Uncategorized|